Deficiências em Mianmar: nova humanidade

(credit: www.newhum.org)

No dia 3 de dezembro, Dia Internacional de Pessoas com Deficiências, a “New Humanity”, uma ONG fundada pelo PIME, organizou um momento de confraternização nos vários centros de acolhida em Mianmar.

A iniciativa foi realizada em colaboração com outras organizações locais. Os voluntários prepararam brincadeiras, apresentações e presentes e distribuíram camisetas com o lema da celebração. Devido a pandemia, a participação era limitada.

Pessoas marginalizadas em Mianmar

Em Mianmar, a deficiência ainda é considerada um estigma social e um castigo divino; por isso, as pessoas com deficiência física ou mental muitas vezes são mantidas escondidas e marginalizadas.

Por motivos culturais e religiosos, muitas famílias ainda não admitem que mantêm entre seus membros alguém com deficiência

pe. Lívio Maggi, missionário do PIME em Mianmar

LEIA TAMBÉM: MIANMAR: FREIRA CATÓLICA REZA NA RUA PARA DEFENDER OS JOVENS MANIFESTANTES


Mianmar e deficiências: falta de abrigos

No país, apenas 60% da população têm acesso ao sistema de saúde. E a falta de pessoal profissional é um dos maiores desafios para a prestação de assistência que atendam às necessidades dos excluídos.

Irmão Alessandro Albani, fisioterapeuta e missionário do PIME, junto com apenas dois fisioterapeutas locais, presta serviço quinzenal no único centro estatal de cuidado continuado para as crianças e adultos em situação de abandono.

Em 2019, a associação apoiou 4 centros para pessoas com deficiência em Yangon, Taunggyi e Kyaing Tong. Esses centros abrigam um total de 649 crianças com deficiência física ou mental.


texto publicado na íntegra na seção “PIME” na edição Janeiro/Fevereiro da revista Mundo e Missão. Assine a revista Mundo e Missão aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *