Padre Uggé, 50 anos de sacerdócio para o Evangelho e a Amazônia

padre henrique uggé pime

Padre Henrique Uggé, missionário do PIME, em 2020 comemorou os seus primeiros 50 anos de sacerdócio. Nessa vídeo entrevista, o sacerdote italiano conta como nasceu a sua vocação ad gentes e também o seu trabalho na Amazônia.

Henrique Uggé, uma vocação nascida na infância

Quando era criança, padre Uggé visitou um seminário e durante a visita viu um mapa do mundo. “Eu pensava que todo mundo era cristão. Mas aquele mapa me ficou na mente porque eu vi quantas pessoas ainda não conheciam Jesus”, conta o sacerdote na entrevista.


ESCUTE O PODCAST “PEQUENOS FATOS DA VIDA”. Podcast sobre o livro “Os pequenos fatos da vida”. Fatos selecionados entre os tantos que o missionário padre Henrique Uggé garimpou ao longo do tempo. Estas e outras breves lições de sabedoria encontraram, no microfone da Rádio Alvorada, de Parintins, o veículo mais apropriado para ganhar os ares da Amazônia


Padre Uggé se lembra também que no dia da primeira comunhão ele não conseguiu pedir nada a Deus. “Não sabia o que pedir. Disse: Jesus, faz tu. Quando falei isso, no meu coração eu percebi uma voz que me perguntava> porque você não se torna padre?”.

Uma vida para o Evangelho e a Amazônia

“Cheguei no Brasil em 1971 e logo a minha destinação foi a Amazônia, em particular Parintins“, acrescenta o missionário do PIME.

livro os pequenos fatos da vida padre henrique uggé pime amazônia

“Naquele tempo eu vi um lugar pobre, de pessoas que viviam de pesca e trabalho. Foi destinado logo em Barreirinha. E depois de um tempo o bispo me disse de ir conhecer as indígenas. E gostei muito de viver com eles”, adiciona padre Uggé na entrevista.


LEIA TAMBÉM: DEPOIS DO SÍNODO, EIS A CONFERÊNCIA ECLESIAL DA AMAZÔNIA


Na qual explica também quais são os desafios que a Igreja superar na Amazônia: “A Igreja deve aprender como ajudar as pessoas que vivem lá a produzir eles mesmo uma evangelização“.

“A Amazônia me ensinou que a pessoa vem antes das coisas, antes de tudo. A nossa cultura européia tem os seus limites. A Amazônia me ensinou a paciência, a deixar o tempo certo para as coisas nos falar”.

Eis a vídeo entrevista completa:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *