Dom Pedro Zilli, primeiro bispo missionário brasileiro, morre por Covid-19 na Guiné Bissau

Dom Pedro Carlo Zilli faleceu por Covid-19 no hospital franciscano de Cumura (Bissau, Guiné-Bissau)

Dom Pedro Carlo Zilli, missionário do PIME, faleceu por Covid-19 no hospital franciscano de Cumura (Bissau, Guiné-Bissau) Quarta-feira, 31 de março, pouco depois das 17 horas (hora da Guiné-Bissau). Hospitalizado por alguns dias devido à infecção pelo vírus, sua condição despertou preocupação imediata, mas apenas nas últimas horas piorou seriamente. Tinha 66 anos e era o 1º bispo da diocese de Bafatá (Guiné-Bissau).

Dom Zilli: Primeiro bispo missionário brasileiro

Dom Zilli nasceu em Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 7 de outubro de 1954. Fez seus votos ao PIME em 6 de julho de 1984 e recebeu a ordenação sacerdotal em 5 de janeiro de 1985, em Ibiporã, e logo após foi enviado para a Guiné-Bissau, tornando-se vigário paroquial na missão de Bafatá. Foi também delegado do bispo para a zona pastoral de Cacheu e presidente da comissão para a formação dos seminaristas maiores, de 1986 a 1998, e superior regional do PIME na Guiné-Bissau, de 1993 a 1997.

De volta ao Brasil em 1998, exercia as funções de diretor espiritual do seminário filosófico do PIME e vice-superior regional do mesmo para o Brasil-Sul, quando foi eleito bispo em 13 de março de 2001. Definido como primeiro bispo missionário brasileiro, sua consagração episcopal ocorreu em 30 de junho de 2001.


LEIA MAIS: GUINÉ BISSAU: DOM PEDRO ZILLI ENVIA CARTA DE AGRADECIMENTO


A nomeação do Dom Zilli pelo João Paulo II em 2001, foi um fato histórico para a Igreja da Guiné-Bissau: o Padre Pedro tornou-se o primeiro bispo de Bafatà, a nova diocese criada depois de Bissau. Um importante sinal de crescimento para a comunidade católica deste pequeno país africano, ao qual a história recente do PIME está tão intimamente ligada.

Uma diocese do tamanho um pouco maior que o estado de Alagoas, com uma população que cresceu muito nestes vinte anos (hoje são quase 800 mil habitantes) e onde os católicos são cerca de 5% da população em um contexto onde a presença da religião tradicional africana continua forte, além do Islã.

Uma palavra aos jovens

Durante numa entrevista uns anos atrás com padre Piero Gheddo citada pelo site Mondo e Missione na Itália, Dom Zilli incentivava os jovens sobre a vocação missionária além-fronteiras:

“Aos jovens brasileiros, quando voltava de férias, digo que certamente é preciso um pouco de coragem para ser missionário e, sobretudo, fé em Deus e na Providência. Mas se você não teve coragem quando é jovem, quando a terá? É preciso muita fé para você seguir em frente. O jovem tem sua vida para gastar. Ele gasta bem se não segurar o freio. Se você sair sem restrições, a fé o orienta bem e se Deus te chamar, diga que sim”.

Dom Pedro Zilli

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) emitiu uma nota de pesar sobre a morte de Dom Zilli (leia aqui) mostrando solidariedade aos familiares, amigos, ao povo de Deus e missionários na diocese de Bafatá e ao PIME.

O funeral do Dom Pedro Carlos Zilli será na sexta-feira, 9 de abril de 2021, às 9 horas (hora de Guiné-Bissau/às 6 horas horário de Brasília), na Sé Catedral de Bafatà (Guiné-Bissau)

Será possível acompanhar a missa ao vivo em áudio pela Rádio Sol Mansi: www.radiosolmansi.net


seu apoio vale muito, assine a revista Mundo e Missão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *