Sudão do Sul: emboscada ao bispo Carlassare

Na noite entre 25 e 26 de abril, trinta minutos depois da meia-noite, duas pessoas armadas e ainda desconhecidas invadiram a casa de Monsenhor Christian Carlassare, missionário comboniano e novo bispo de Rumbek no Sudão do Sul, e atiraram nele nas pernas

(credit: Nigrizia.it)

Na noite entre 25 e 26 de abril, trinta minutos depois da meia-noite, duas pessoas armadas e ainda desconhecidas invadiram a casa de Monsenhor Christian Carlassare, missionário comboniano e novo bispo de Rumbek no Sudão do Sul, e atiraram nele nas pernas.

O padre Christian está fora de perigo e os médicos do CUAMM estão cuidando dele no hospital de Rumbek, mas o bispo perdeu muito sangue e em breve será transferido para a capital Juba e depois para Nairóbi, onde fará uma transfusão. Consciente e sofredor, o Padre Christian telefonou diretamente à família para informa-la e disse ao superior dos Missionários Combonianos em Itália:

“Reze não tanto por mim mas pelo povo de Rumbek que sofre mais do que eu”.

Palavras de um verdadeiro pastor que dá a vida pelas suas ovelhas, como nos recordou o Evangelho de ontem. Os fiéis de Rumbek, diocese de maioria dinka, um dos grupos étnicos mais numerosos do país, acolheram o padre Christian com uma cerimônia de boas-vindas no dia 16 de abril passado.


LEIA TAMBÉM: MISSIONÁRIO COMBONIANO É NOMEADO BISPO EM SUDÃO DO SUL


O Papa Francisco, de fato, o nomeou bispo em 8 de março e o Padre Christian Carlassare se tornou, aos 43, o mais jovem bispo italiano do mundo, liderando a muito jovem Diocese de Rumbek, nascida apenas em 1975 e liderada, antes dele, também pelo “pai o povo” Cesare Mazzolari, missionário comboniano falecido em julho de 2011, uma semana após a declaração de independência do Sudão do Sul.

Mas provavelmente alguém não gostou que um jovem que vinha de longe e que havia trabalhado quinze anos com a outra etnia predominante no país, os Nuer, tivesse sido escolhido justamente para chefiar a Diocese de Rumbek.

Agora se espera uma grande resposta popular não violenta dos fiéis, como um sinal da autenticidade do Evangelho e da unidade da Igreja, demonstrando o apoio e o carinho para com seu pastor com o “cheiro de ovelha” como o Papa Francisco deseja.

*Notícia pelo Filippo Ivardi Ganapini

fonte: Nigrizia.it

(texto traduzido pela redação Editora Mundo e Missão)


seu apoio vale muito, assine a revista Mundo e Missão

Um pensamento sobre “$ s”

  1. Wanderley nardini diz:

    Infelizmente vivemos num mundo onde a palavra de Deus ainda incomoda mta gente. Principalmente os q qrem ser dominadores dos povos mais sofridos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *