Comunicação gera vocação

Toda nossa forma de divulgação deve ter como objetivo suscitar nas almas da juventude um maior fervor apostólico

Toda nossa forma de divulgação deve ter como objetivo suscitar nas almas da juventude um maior fervor apostólico” disse o hoje bem-aventurado padre Paulo Manna, missionário do PIME.

Em uma carta aos coirmãos em missão, o Paulo Manna dizia que “o fim principal da mensagem (missionária), tanto escrita como falada, deve ser o de suscitar vocações”. Para ele, “a imprensa é realmente um meio essencial para a animação missionária”.

DIVULGAÇÃO MISSIONÁRIA

De fato, alguns missionários brasileiros do PIME que atuam em missão no exterior foram motivados pela imprensa. Entre eles, o padre maranhense Almir Azevedo, hoje no Bangladesh.

O instituto não está presente na sua terra natal, mas, graças às publicações da Editora Mundo e Missão, ele veio a conhecer o PIME e sentiu amadurecer a sua vocação:

“Eu era o coordenador da pastoral da juventude na paróquia, e o padre francês Denis, um sacerdote fidei donum (fidei donum é o sacerdote diocesano que atua em missão fora de sua diocese por um período determinado), apresentou-me o jornal Missão Jovem. Ele tinha a assinatura e ofereceu uma para a gente. Através do jornal eu conheci o PIME e vi a minha vocação missionária amadurecer. Graças a ele e ao padre Denis, cresceram em mim a fé e o compromisso na comunidade.”


OUÇA O PODCAST: BANGLADESH: BATE-PAPO COM PADRE ALMIR


A IMPRENSA E AS VOCAÇÕES

A revista Mundo e Missão está convencida do empenho na animação missionária por meio da imprensa, pois oferece incontáveis conteúdos vindos das missões: “É bom que, através dos meios de comunicação social, a evangelização se torne uma experiência forte, e que a imprensa seja apoiada pelos nossos missionários”, afirma o padre Ferruccio Brambillasca, superior geral do PIME, durante a entrevista publicada na edição anterior. E que, com o surgimento de novas plataformas (sites, redes sociais, podcasts etc.), ela também se mantenha atualizada para alcançar mais pessoas, sobretudo os jovens e, quem sabe, pelo testemunho dos missionários narrados pelas comunicações sociais, venham a surgir também mais vocações missionárias além-fronteiras.

texto publicado na seção “PIME” na edição de maio número 252° da revista Mundo e Missão. Gostou da matéria? Seja um nosso assinante


seu apoio vale muito, assine a revista Mundo e Missão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *