Preocupação sobre ordem policial para monitorar cristãos na Índia

O superintendente da polícia no distrito de Sukma, no estado indiano de Chhattisgarh, pediu à polícia para monitorar as atividades de missionários cristãos e convertidos tribais

O superintendente da polícia no distrito de Sukma, no estado indiano de Chhattisgarh, pediu à polícia para monitorar as atividades de missionários cristãos e convertidos tribais.

Em uma carta oficial datada de 12 de julho, Sunil Sharma acusou os missionários cristãos de entrar em áreas tribais e persuadir tribos não-cristãs a se converterem por aliciamento ou sedução. Ele disse que conflitos ocorreram entre povos tribais por causa de conversões.

A notícia é relatada no site da Uca News pelo jornalista Bijay Kumar Minj na Índia.

Os líderes cristãos dizem que a ordem é parte de uma onda anticristã que continua no estado.

“Monitorar” os cristãos

Arun Pannalal, presidente do Chhattisgarh Christian Forum, em nota à imprensa em 13 de julho, disse que a polícia deveria ser neutra e garantir os direitos de todos os cidadãos, mas a polícia está se comportando como um partido político e parece abertamente contra a comunidade cristã:

“A ordem é premeditada, preconceituosa, longe de ser neutra e contra a constituição. Um policial subvertendo a constituição é uma contravenção muito séria. A polícia já responsabiliza os missionários por estarem organizando atividades religiosas, enquanto a constituição garante a liberdade de organizar a religião de qualquer pessoa”.

Pannalal disse que o superintendente da polícia criou novos grupos de “tribos convertidas” e “tribais residentes”.


LEIA TAMBÉM: PELA PRIMEIRA VEZ A IGREJA COMEMORA O DIA DA ÍNDIA CRISTÃ


Liberdade religiosa

A Lei de Liberdade Religiosa (Emenda) de Chhattisgarh, de 2006, estipula que aqueles que desejam se converter devem obter permissão do magistrado distrital local pelo menos 30 dias antes da cerimônia. O magistrado terá o poder de permitir a conversão somente se ameaças ou seduções não estiverem envolvidas. Qualquer pessoa considerada culpada está sujeita a pena de prisão até três anos e multa de até 20.000 rúpias (US $ 270).

Muitos críticos dizem que depois que o Partido Bharatiya Janata (BJP) chegou ao poder em Nova Delhi em 2014, os ataques a minorias aumentaram significativamente.

O BJP governou o estado por cinco anos até 2018, quando o partido do Congresso o destituiu. Mas o BJP e seus grupos afiliados são ativos na campanha estatal contra os cristãos.

Chhattisgarh é o estado mais densamente hindu da Índia, com 98,3% de seus 23 milhões de habitantes hindus. Os muçulmanos representam 1%, enquanto os cristãos, principalmente tribais, representam 0,7%.

foto: Bijay Kumar Minj/UCA News


doação ou assinatura mundo e missão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *