“Tua Palavra é lâmpada para os meus caminhos, Senhor…”

Estamos em setembro, o mês dedicado a vivência da Palavra de Deus. Além dos temas dos textos bíblicos e os próprios da liturgia, a Igreja no Brasil nos sugere um assunto para a nossa reflexão. Celebraremos o mês da Bíblia 2021, cujo tema é a Carta de São Paulo Apóstolo aos Gálatas e o lema: “pois todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3,28d). Encaminhados pela Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), os subsídios têm o objetivo de auxiliar as comunidades e paróquias no aprofundamento bíblico, na preparação e vivência do Mês da Bíblia 2021.

Na apresentação do texto-base, o arcebispo de Curitiba (PR), presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, dom José Antônio Peruzzo, diz que se “o leitor ou leitora se mantiver atento, ser-lhe-á possível encantar-se com a sua Igreja. Verá que problemas nunca faltaram. E que belas experiências de fé sempre se multiplicaram”.

A Bíblia e eu

O que a Palavra de Deus me diz, ainda hoje, aqui e agora? Deus fala e as palavras são dirigidas a todas as pessoas. Para cada um dirige pessoalmente a sua voz.  A ação movida pela Palavra consiste em fazer da mensagem a própria vida. É válido traçar propósitos claros e realistas dentro de intervalos de tempo razoáveis. A Palavra vivenciada dia após dia, a começar dos pequenos gestos, configura-nos a Jesus e faz-nos avançar no caminho da santidade.

Lectio divina: Vamos rezar juntos?

A expressão lectio divina é latina e, em resumo, significa ‘leitura dos textos sagrados’. Mas, se você não sabe por onde começar, daremos algumas dicas. Este método de leitura da Palavra de Deus é composto por cinco passos: Leitura, Meditação, Oração, Contemplação e Ação.

Créd. ACI digital

Lectio: Em primeiro lugar indica lição, ou texto. Posteriormente, em uma segunda tradução, passou a ser compreendido por leitura, que também se origina de “legere”, que quer dizer conhecer.

Divina: Derivação do adjetivo “divinum”, indica algo pertencente ou relacionado a Deus, algo sagrado. Em resumo, quer dizer: leitura dos textos sagrados, recomendada pelos Padres da Igreja.

Quais são os passos da “Lectio Divina”?

 Comunidade Sementes do Verbo e projeto Lectionautas*

A lectio divina, tal qual compreendemos hoje, é apresentada como um método de leitura da Escritura. E tem suas origens no século 12, relacionada ao que tem sido chamado de “teologia monástica”. Após o Concílio Vaticano II, ocorreu uma orientação cada vez maior para a dedicação ao estudo e à oração das Sagradas Escrituras, e a Dei Verbum (Constituição Dogmática Pós-Conciliar) diz que “a Leitura deve ser acompanhada de oração, para que seja possível o diálogo entre Deus e o homem (…), a fim de que nenhum destes se torne pregador vão e superficial da palavra de Deus, por não a ouvir de dentro” (Dei Verbum, nº 25).

Passos da Lectio Divina 

Guigo, o monge Cartucho (cisterciense do século XII) nos indica as etapas da lectio divina.

1.Leitura (Lectio): A leitura é um exercício externo conforme o nível dos principiantes. Tenhamos, portanto, a humildade de ler a Sagrada Escritura, mesmo se, às vezes, termos a pretensão de já conhecê-la. A leitura deve ser desinteressada, gratuita, amorosa e na fé, e requer dedicação de tempo para não ser realizada de maneira superficial. Para uma boa leitura, é necessário, primeiro, lançar sobre o texto bíblico um olhar impessoal, analisando a cena descrita, a linguagem utilizada e o contexto histórico e sociocultural. A partir disso, podemos inferir o sentido literal da Palavra. Mas a riqueza dos textos bíblicos, no Antigo e no Novo Testamento, de forma implícita ou explícita, sempre nos permite um encontro com Jesus, o Verbo do Pai. É o que tradicionalmente se conhece por sentido alegórico (ou cristológico) da Escritura. A Palavra de Deus também carrega sempre um sentido moral (ou antropológico), uma lição prática que nos pode conduzir a um comportamento justo. Por fim, toda a Escritura faz-nos entrar, já aqui na terra, na visão do Céu e do Eterno. Podemos assim ler a Palavra de Deus em seu sentido escatológico.

2.Meditação: É o ato da inteligência que nos coloca acima dos sentidos. É o grau daqueles que progridem e o dos que já podem meditar a Palavra de Deus. Para que a Palavra possa penetrar e produzir os seus efeitos em nós, é necessário constância e perseverança no exercício de meditação. É importante ressaltar que a meditação do texto bíblico não se deve limitar ao tempo do exercício da lectio divina, mas somos chamados a continuar a meditar a Palavra durante o nosso dia, e mesmo no decorrer de nossos trabalhos e atividades, permitindo que a Escritura realize um trabalho de frutificação interior em nossa alma.

3.Oração (Oratio): Prece, oração, que faz entrar no mistério. É o grau dos fervorosos. A oração é a minha resposta pessoal à leitura da Boa Nova. Depois de ter lido, penetrado, meditado o texto, posso sentir o desejo de fechar a a Bíblia para louvar o Senhor. Agora, a fim de não mais escutar o que o Senhor me diz, mas simplesmente amá-lo, contemplá-lo e responder-lhe. A partir da Palavra viva, minha oração pode tomar múltiplos aspectos, como o louvor, a ação de graças e o reconhecimento, mas também a contrição do coração, o pedido, a intercessão e a súplica.

4. Contemplação (Contemplatio): Oração de quietude. É o grau dos bem-aventurados, que corresponde à vida mística. A Contemplação é o que fica nos olhos e no coração quando a oração foi encerrada. É, fundamentalmente, a concentração da atenção, não em sentimentos ou em orações, mas em Jesus Cristo e na relação pessoal com Ele. É importante, durante a etapa da Contemplação, guardar um pequeno trecho da Escritura (um versículo) que mais tenha falado ao coração, para ser relembrado durante todo o dia.

Créd. Freepik

5. Ação (Actio): A Palavra de Deus apropriada passa depois para a vida prática, torna-se vida em minha vida e transforma meus atos. A partir do que li, do que ouvi, meditei, ruminei, contemplei, me deixei penetrar pelo poder da Palavra. Começa a brotar no meu mais profundo, o desejo de seguir as palavras da Virgem Maria: “Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 1,5). A ação movida pela Palavra, consiste em fazer da mensagem a própria vida. É importante traçar propósitos claros e realistas dentro de intervalos periódicos de tempo. A Palavra vivenciada dia após dia, a começar dos pequenos gestos, configura-nos a Jesus e faz-nos avançar no caminho da santidade. Que possamos descobrir a importância da Sagrada Escritura em nossas vidas e a necessidade de nos deixar ser constantemente transformados na Palavra de Deus que é o Cristo. Amém.

Por Valesca Montenegro

clique em cima para assinaturas e doações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *