Mães na Era Digital

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Um dos grandes desafios da atualidade é a relação das tecnologias na criação dos filhos. As mães estão cada vez mais conectadas e interessadas no universo tecnológico, não só para o trabalho, mas também para a educação e o crescimento dos filhos.

Mais do que com tecnologia, crianças que nasceram na era digital têm uma relação inédita com a Informação. De acordo com estudo da consultoria norte-americana Qmee, a cada minuto são geradas, em média, 72 horas de vídeo no YouTube, 41 mil posts no Facebook e 3,6 mil fotos no Instagram.

Embora nem sempre seja fácil para os pais entenderem o que as crianças digitais têm a dizer, é importante compreender que se trata de uma geração pronta para contribuir com o mundo hiperconectado. A internet e a infinidade de gadgets que as cercam fizeram com que elas desenvolvessem uma forma de pensamento não linear. Elas sabem várias coisas ao mesmo tempo, sem medo de expressar suas diferenças e formas de pensar, e sem a necessidade de se encaixar em um grupo específico.

Uma comunidade de mães empoderadas

Um novo tipo de mãe está surgindo. Argumenta, retruca, refuta e só faz o que considera correto em cada caso. As mães trocam experiências em comunidades virtuais e, nesses espaços, leem artigos sobre diversos temas.

Uma dessas comunidades está no Facebook há sete anos e já recebeu pelo menos um milhão de visitas. O grupo, denominado “Apoio Materno Solidário”, congrega outros tantos com debates sobre temas que preocupam as mães. Como administradora do grupo, a pedagoga Simone Tenório de Carvalho percebeu a mudança no jeito com que as mulheres se relacionavam com o pediatra dos filhos e decidiu, a partir daí, desenvolver seu mestrado.

“Por meio de um programa de computador, eu inseri as informações das entrevistas e fiz a conexão dos duzentos discursos como se fosse uma só mãe falando. É interessante notar como todos os discursos, desembocam em um mesmo lugar”. Este lugar, como refere a autora, é o das “mulheres empoderadas”. O termo vem ganhando cada vez mais força nas redes sociais entre os indivíduos que defendem mais autonomia e respeito às decisões da mulher. Neste caso, trata-se do que Simone considera “empoderamento materno”, ou “autopoder materno”.

Comunidade

A comunidade que Simone administra é composta de cinco grupos que discutem amamentação, introdução alimentar, volta ao trabalho, maternidade e empoderamento materno. “A razão principal que leva as mães a buscarem a comunidade, em linhas gerais, é a vivência de alguma dificuldade no pós-parto, em especial com o momento da amamentação”, descreve a autora.

 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Adicionar Comentário

Seu endereço de e-mail está seguro conosco. Campos obrigatórios são marcados com *

Telefone: (11) 5549-7295
Fax: (11) 5549-7257
Rua Joaquim Távora, 686
04015-011 Vila Mariana, São Paulo - SP